Eu sou a Lenda

julho 28, 2008

Eu sou a Lenda
Este filme de certa forma me surpreendeu, com questões mais interessantes do que eu imaginaria.
Em 2009, uma pesquisadora descobre a cura do câncer, é um vírus do sarampo modificado para atracar as células cancerosas. Três anos depois ficamos sabendo que as pessoas que receberam este vírus desenvolveram uma espécie de “raiva”, agindo como animais e agressivos.
Alguns poucos humanos são resistentes a esse vírus, mas acabam sendo mortos pelos infectados. Em Nova York, um homem e sua cadela sobrevivem. Ele mantém uma rotina rígida de exercícios físicos, caça a infectados e experiências científicas, além de tentar se comunicar com algum sobrevivente. Conversa com manequins de borracha e com sua cadela Sam. Á noite, trava todas as janelas e portas e só sai novamente quando o sol nasce.
A questão da manipulação genética e das inovações científicas é colocada neste filme como algo ambivalente, se por um lado pode trazer benefícios, também pode levar a destruição da humanidade. Ciência e fé também são postas frente a frente como modo de superar os momentos de crise. O personagem principal representa a ciência e a mulher que ele encontra, a fé e religião. No final, a mensagem é a de união entre as duas formas de pensar, união entre religião e ciência.
O filme tem a história semelhante a do filme Extermínio, no qual também uma epidemia viral transforma as pessoas em zumbis assassinos e dizima Londres totalmente, com a diferença de que o filme “Extermínio” toma um rumo inusitado na sua terceira parte, diferente do Eu Sou a Lenda , que tem final mais convencional.

Anúncios

Juno

julho 21, 2008

Juno
Juno é uma comédia muito agradável , com piadas inteligentes e atuais, sobre uma adolescente que engravida e tem que enfrentar as conseqüências disso, tomar decisões importantes para o seu futuro e do seu feto. Aparentemente, Juno não tem nenhum problema com o aborto, mas ao chegar ao local onde são realizados, fica assustada e desiste.Toma a decisão, então, de dar a criança pra adoção, mesmo que para isso tenha que contar aos pais que está grávida.
A forma como Juno encontra os pais para seu filho é interessante, através de anúncios no jornal. Ela vê a foto de um casal e gosta deles. A mulher é uma obssessiva, controladora e o marido um músico, que se identifica com Juno no primeiro dia ao descobrir que dividem os mesmos gostos por guitarras e música. Acaba se desenvolvendo uma amizade entre Juno e este homem durante o período da gravidez, já que ele se comporta ainda de forma adolescente e imatura.
O verdadeiro pai é um adolescente ingênuo, que era o melhor amigo de Juno e que teve com ela sua única experiência sexual. Ele parece gostar dela, mas tem dificuldade para dizer ou tomar qualquer atitude em relação a isso. Não assume nenhuma atitude ativa frente a gravidez dela.
O modo como a personagem vai passando pelos problemas, como enfrenta a gravidez e as mudanças no corpo e no emocional que ela acarreta são pontos importantes neste filme e não é à toa que Ellen Page foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz por este papel muito interessante, bonito e cômico.